Memorial Matraga

Invejoso

matraga poesias February 7, 2018

Invejo aos que se satisfazem com o sucesso profissional, que se acham muito bons no que fazem, e pensam que isso é o máximo. Invejo aos que contentam com o amor dedicado de uma bela mulher, e imaginam que este é o melhor destino que alguém possa almejar. Invejo aos que mergulham de cabeça em […]

Read More

Enigma lunar

matraga poesias February 7, 2018

No canto esquerdo do seu sorriso Bem abaixo dos seus olhos doces Flagrei em detalhes, a minha tragédia: Tu que não sabes ou dizes não saber Se o amor que por mim, tu sentes é forte verdadeiro e bom, me envias em cada detalhe do teu rosto que me fita com doçura um apelo para […]

Read More

Ah, homem pequeno, eu te conheço bem. Já fui como tu. Já padeci de tua pequenez. Conheço este teu espírito vazio. Conheço essa sombra que te ronda. Sei do medo que te consome e como reages mal a ele. Sei do teu ímpeto em fazer parar a vida, só porque não a compreendes. Sei da […]

Read More

Afaníase

matraga poesias February 7, 2018

Eu cavo cavaco seus ôcos. Faço buraco na busca do que não sei nem saber o que é. Eu fuço focinho suas parte molhadas, mergulho no lodo mergulho eu todo na lama clara que sua cavidade destila. Eu inspiro e suspiro por entre os dentes gemidos loucos roucos sofreguidão… Eu quero não posso, te toco […]

Read More

era uma vez uma mulher que evaporava quando ganhava um abraço. vivia assim, sem abraços, com medo de evaporar. não existia príncipe encantado poção mágica, palavra escondida ou amuleto que pudesse livrá-la desta estranha condição. Ia vivendo a sua vida, pois as outras coisas ela podia fazer muito bem, mas faltavam os abraços… um dia […]

Read More

A bailarina sangra o coração sangra o seu e o meu, sangra o de muita gente mais. Sangra com a sua própria mão. A bailarina se castiga, mortifica-se, maltrata, consome-se em culpas por faltas que não cometeu. A bailarina quer perfeição. Se envergonha pelos enganos alheios se aborrece com que lhe parece feio. Fica irritada […]

Read More

Adolescente

matraga poesias February 7, 2018

Eu não escondo os meus pecados Desenho de um Crumb Gravuras eróticas de um Picasso Deles rio ou choro. E rindochorando revelo-os: Tropicais araras estridentes; loucos e desdenhosos desejos que na esquina surgindo; atropelam e assustam o distraído transeunte.

Read More

Cúmplice

matraga poesias February 7, 2018

Devagar, sediciosa, silente, escorregas, infiltras, escoas, pelos orifícios de minha alma e te aninhas, como claridade, nos meus recantos mais obscuros… Insistente, a tua palavra me chama e ecoa, nos meus fundos mais fundos,abissais, reverberando boas novas, fazendo promessas de paz. Que toda essa doçura que conjuras, reverta em ti, força coragem, bálsamo aos teus […]

Read More

Encaixe

matraga poesias February 7, 2018

Como uma praga ao vento O tempo trouxe para as fêmeas da espécie o esquecimento da arte de se encaixar. De tudo do bom conquistado Resgate do outrora usurpado verdades, direitos, oportunidades, como um sutil defeito o tempo também produziu um total esquecimento da arte de se encaixar. Tanto para as grandes quanto para as […]

Read More

Caminhante

matraga poesias February 7, 2018

Caminhante, caminhante aonde vai esta estrada? Esta estrada; esta estrada… Esta estrada não vai meu amigo Por ela sigo eu, passo a passo, na jornada. Do seu começo me esqueci, por seu fim não perguntei, dos caminhos já trilhados poucas coisas te direi. Que esta estrada sinuosa de aparência tão vulgar aos meus pés já […]

Read More