Memorial Matraga

havia um sultão glutão devorador de mulheres as matava ao fim do festim uma noite de carne, vinho e jasmim e a condenada já tinha um fim. Dizem em seu beneficio que ele nem sempre fora assim uma vez amara por demais deusa linda e traiçoeira não mereceu a traidora a dedicação do mandarim o […]

Read More

Adonde está golondrina Adonde fue su vuelo levar Que haces muy triste mi invernó Y tengo ganas de llorar. Yo te quiero mucho mi pajarito lindo. A mi, me gusta verlo volar. Si vuela en otras tierras Vuelve y me vengas narrar.

Read More

Nua pergunta

matraga poesias February 14, 2018

Você, diante de mim, parada nua, me interpela. Quer saber em sua nudez perplexa, diante de mim, atónito do que eu nunca soube, jamais. O desejo que escorre dos seus olhos. desce doce e empoça no umbigo pinga em gotas de perguntas que eu não sei responder. O mistério que te constitui universo feminino ser […]

Read More

Zaratrusta 

matraga poesias February 14, 2018

Os homens são animais de rebanho. Não serei ovelha. Andarei sozinho e sem medo, sempre que for possível. Contrariarei o coro dos contentes. Desafiarei a falsa alegria do alarido dos amontoados de gente. Recusarei a banalização do encontro. Não amarei a todos. Não faço questão de que todos me apreciem. Assumirei as minhas responsabilidades por […]

Read More

Tem amor que é assim. Amor impedido, remoso e teimoso. Ponta de estoque na prateleira das impossibilidades. A gente quer mas não pode. Difícil de se conformar. No começo forte, entristece só de lembrar. Depois esmorece, fica ali, amor lerdo se esquecendo, dormindo como coisa boa, lembrança leve de um aperto. A gente quer mas […]

Read More

Twist

matraga poesias February 14, 2018

Você, qual um furacão, deixou em sua passagem um rastro fundo, nos quintais do meu coração. Desmantelou telhados, Rodopiou os meus pontos cardeais Fez-me experimentar potencias e intensidades, com gosto de quero mais. Hoje eu sinto a tua falta, é verdade, Mas sem ti; tenho que confessar Sem ti, depois de ti, Tornei-me alguém mais […]

Read More

ZA-ZEN

matraga poesias February 14, 2018

Como criança incapacitada da fantasia e entediada com a monotonia do sempre igual brinquedo, num gesto de pouco pensar, lançei minhas coisas ao ar. E elas cairam: o preto no lugar do branco o azul, no do vermelho; o verde no do amarelo. E tudo teve um novo lugar. Brinquei, mas brinquei pouco. O gesto […]

Read More

A água de um olho geme, germina escorre, escoa. Empoça. A água de um olho sediciosa, silente forma por troça lagoa. A água de um olho escorre; esvai e no ventre da várzea se espalha, gigante e farta. E quem a vê assim no plácido da tarde nem imagina o olho, o olhosinho atoa, que […]

Read More

Sanssara

matraga poesias February 14, 2018

A gente brinca de roda. A roda roda. A roda brinca com a gente. A gente sobe. A gente desce. A roda brinca ate a gente cansar E a roda, só por gostar roda; não quer parar de brincar. Roda, Roda! E a gente a ajudar mesmo querendo parar, Um, dois, subiu, e treis, quatro […]

Read More

É tão grande a distância que separa de mim, este homem miserável caído na calçada, que dorme, boca entreaberta, no canto escorre uma baba nojenta, que desce pela barba esbranquiçada, que, a anos, não conhece os cuidados de um barbeiro. É tão grande, e ao mesmo tempo tão pequena, a distância que separa a sua […]

Read More